quarta-feira, 14 de novembro de 2007

soneto quebrado em saudade

Assim só,
Quem sabe...
No fim do mundo
Caindo a tarde

Torne algum dia
Enfim o vento
A soprar vagabundo
Lento

Que carregue consigo essa poesia
Pequena, singela, macia
Aos ouvidos dela
Distante

Que sopre forte, constante
Tal qual no barco a vela
Quanto mais ondas, insiste!

Talvez assim, quem sabe...
No cair do mundo, final da tarde
Eu deixe de ser triste
E só.

(Vinícius Galindo)

8 comentários:

  1. Vinicius - Paidastr15 de novembro de 2007 11:22

    As vezes, dizer é mais dificil que calar. adorei.

    ResponderExcluir
  2. Viiiiii

    que lindo!!! foi tu que fez, menino? adorei!!! lembra a saudade que a gente aqui tá de você...
    beijos

    ResponderExcluir
  3. po, genial.
    inspiraçao eh tudo, meu velho.
    aproveita o momento!

    []'z

    ResponderExcluir
  4. se colocar nessa uma melodia tipo "footsteps", deixa que eu canto!!!

    teu 'eu lírico' tá ativo, é?

    aê!

    ResponderExcluir
  5. saudade sempre inspira, né?
    Pleo menos isso, já que dói.
    Beijos.
    Lu.

    ResponderExcluir
  6. Hoej também tê assim...
    Com muita saudade...
    Só não sei dizer tão bonito, né?

    Beijos saudosos

    Mamãe

    ResponderExcluir